Galpões com certificação ambiental já são realidade no mercado e prometem nortear o futuro do setor

Galpões com certificação ambiental já são realidade no mercado e prometem nortear o futuro do setor

Crescimento do mercado

Patricia Vasconcellos, da Creato Consultoria em Sustentabilidade, acredita no crescimento do número de galpões sustentáveis. “Avaliando o mercado das multinacionais e das empresas estrangeiras interessadas no Brasil, é possível enxergar esse futuro. Essas são as empresas que já movimentam o mercado da locação de galpões certificados”.

Cristina Umetsu, arquiteta e gerente de consultoria de projetos do Centro de Tecnologia de Edificações (CTE), também acredita na consolidação dos selos ambientais. “No futuro próximo, a certificação ambiental será uma obrigação para qualquer tipologia de construção, inclusive para galpões. E que, pensar desde já nisso certamente terá vantagem”, diz.

A incorporadora de galpões Fulwood Investimentos já está de olho nesse mercado. Atualmente, os condomínios pertencentes à empresa não possuem certificação, mas já seguem características sustentáveis, como circulação cruzada de ar, reúso de água e telhas com Face-Felt, segundo o CEO da empresa, Gilson Schilis, que ressalta que os futuros empreendimentos contarão com a certificação LEED. A ideia é seguir os padrões de certificação já no projeto, prevenindo a poluição desde a construção do empreendimento e mantendo o padrão de sustentabilidade durante a operação.

Custos X Vantagens

Construir um galpão com materiais e técnicas sustentáveis gera em torno de 11% a 15% de gastos a mais para a construção, segundo Gilson Schilis, da Fulwood. A obtenção da certificação também é outro fator que pode encarecer o custo do empreendimento, segundo Marcos Casado do GBC Brasil, subindo de 1% a 7% o valor, dependendo do nível de certificação almejado.

Mesmo com gastos financeiros mais altos, as vantagens em se construir uma edificação sustentável são bastante expressivas. Para as empresas que construirão seus próprios galpões, os benefícios virão em longo prazo. Já para as incorporadoras, que posteriormente disponibilizarão os imóveis para locação, a valorização da edificação no mercado é percebida rapidamente, o que acaba compensando o custo inicial com o passar do tempo.

Se para as incorporadoras construir um galpão sustentável representa um bom negócio, para os locatários desses espaços não é diferente, pois é durante a operação dos galpões que os benefícios desse tipo de construção são mais visíveis, sobretudo em relação à economia de recursos naturais. “Normalmente, o custo da operação e manutenção, que representa cerca de 75% do custo total do empreendimento – considerando um ciclo de 50 anos -, é reduzido em aproximadamente 10%, explica o diretor técnico do GBC Brasil.

A redução nos custos de operação é possível devido ao uso de torneiras com regulação de vazão, descargas dual-fluxo com reúso de água, lâmpadas fluorescentes e telhas claras que garantem melhor conforto térmico e reduzem a utilização de ar-condicionado.

Diante do futuro promissor das certificações ambientais, as empresas que já constroem ou ocupam galpões sustentáveis estão à frente no mercado e preparadas dentro do padrão que certamente se tornará uma exigência para as edificações. ”Construir um galpão com critérios sustentáveis gera menor custo operacional em longo prazo e possibilita que ele fique dentro das normas socioambientais mundiais por muito mais tempo”, ressalta o CEO da Fulwood, Gilson Schilis. Em relação ao custo de locação, André Gavazza, da Nissan do Brasil, afirma que não há diferenças em relação a um galpão comum.

De forma geral, de acordo com informações do GBC Brasil, os proprietários de galpões certificados encontram ainda outras vantagens, como diminuição dos riscos regulatórios, valorização do imóvel para revenda ou arrendamento, aumento na velocidade de ocupação, aumento da retenção, modernização e menor obsolescência da edificação, além de melhora na segurança e priorização da saúde dos trabalhadores e ocupantes e aumento da produtividade do funcionário e da satisfação e bem-estar dos usuários.